Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

BAIÃO CANAL | Jornal N.º 7 - Maio 2021

BAIÃO CANAL | Jornal N.º 7 - Maio 2021

Eduardo Roseira | PORTUGAL 47 ANOS DEPOIS DO 25 ABRIL

Eduardo roseira

Era eu miúdo, “obrigaram” os meus pais a partir para terras portuguesas do Império, acenando-lhes um futuro promissor.

O Estado português, “vendeu” aos meus pais, a mim e minha irmã, assim como a muitos portugueses que optaram pelas terras de áfrica em busca de melhor futuro, a defesa de uma “Pátria Una e Indivisível”, com uma guerra imposta.

Mais tarde, ofereceram-me um futuro risonho e de esperança chamado democracia, chamado 25 de Abril, era a Revolução dos Cravos, o tempo de renovada esperança e o acreditar num futuro melhor para todos os portugueses e africanos que teriam nas mãos a construção do seu próprio país. Porém, logo me abandonaram duplamente:

- 1.º - Como cidadão português, quando me devolveram ao remetente, com o carimbo de retornado;

- 2.º – Como ex-combatente, que obrigatóriamente fui, em defesa de uma causa que me diziam justa e nacional;

Eu porque sempre me guiei desinteressadamente, pelos lemas da Solidariedade e da Liberdade, apesar destese doutros abandonos, ainda acreditei nas promessas e no meu país, só que ao longo dos anos, questiono-me sobre o que é que nos deram em nome da tal democracia?!

Desemprego, corrupção e mais um sem fim de falsas promessas e constantes retiradas dos valores ganhos com a revolução, na saúde, educação, justiça e outros tantos, cuja lista é enorme.

Mas quem sou eu para estar aqui a queixar-me, perguntarão todos vós.

A minha resposta chega-vos através das palavras dum HOMEM, proferidas em 1984, ou seja, DEZ anos depois da revolução do 25 de Abril:

 

“Passados dez anos, será interessante assinalar a evolução dos comportamentos de muitos dos intervenientes, em especial os políticos e militares que conseguiram passar de um regime a outro, sempre na crista da onda, e que, com as lutas pelo Poder, ajudaram a dificultar a evolução desejada. Por outro lado, não acreditando em democracias musculadas nem no sebastianismo, resta-nos, na orgulhosa situação de implicados no 25 de Abril de 1974, criticar os muitos que pagam o idealismo e a generosidade dos Capitães de Abril com o mesmo comportamento que caracterizou o regime nascido em 28 de Maio:

- a corrupção;

- a incompetência;

- o compadrio;

- o circo do Poder.

Até quando?”

 

            Estas palavras são do saudoso Capitão de Abril, Salgueiro Maia.

 

Agora com os meus 70 anos de idade, embora muito desiludido, não me quero abster e muito menos render, mas sinto todas as liberdades e direitos ameaçados e por talpergunto:

- Valerá a pena acreditar em mais alguém?...

 

Mas eu, como sou feito de esperança e poesia, agarro-me e acredito nestes versos de José Carlos Ary dos Santos:

 

Se Abril ficar distante,

desta terra e deste povo,

a nossa força é bastante

p’ra fazer um Abril novo.

 

 

Eduardo Roseira

Abril de 2021

Comentar notícia:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.